Menu

A água é imprescindível à vida humana, dos animais e vegetais. É um recurso natural limitado e, portanto, deve ser usado de forma racional a fim de que não venha faltar.

As fontes de captação de água na superfície estão cada vez mais raras, devido ao aumento da população e à poluição de rios e lagos, fazendo-se necessário a perfuração de poços artesianos cada vez mais profundos. Assim sendo, a captação da água da chuva surge como fonte alternativa para suprir a demanda e auxiliar em diversas áreas.

Esta, porém, não é uma prática atual: a água da chuva já era captada e utilizada por civilizações antigas como os Maias, Astecas e Incas. Um dos relatos mais antigos do seu uso data de 2000 a.C. (o Palácio de Knossos, na Ilha de Creta, utilizava um sistema que aproveitava a água da chuva na descarga das bacias sanitárias). – Fonte: Caderno Técnico Uso / Reúso da Água CREA-PR.

A maioria das regiões brasileiras tem um bom índice pluviométrico, porém o seu aproveitamento para uso humano e animal só é recomendado após tratamento. Sua utilização na limpeza em geral, irrigação, etc., ajuda a poupar água potável e fazer economia.

Onde utilizar esta água não potável?

Descarga sanitária
Descarga de mictórios
Limpeza de pátios e veículos
Irrigação de jardins

Como funciona o sistema?

Captação – coletar a água que cai no telhado e descartar a água inicial;
Filtragem – para retirar sedimentos e melhorar sua qualidade;
Armazenamento
Distribuição da Água – abastecer os locais de uso.

* Detalhes Importantes: drenar o excesso da água da chuva (em caso de chuvas intensas) e completar a falta da água (em caso de estiagens prolongadas). / É importante ressaltar que o tipo de telhado e de condições locais influenciam na qualidade da água: fezes de pássaros, resíduos de tintas, fibras de amianto, etc.

Critérios para Captação / Noções sobre sua instalação
Os principais critérios são:

A demanda de água diária na propriedade;
O índice médio de chuva por região em cada período do ano;
Tempo necessário para armazenagem, considerando um período mínimo de segurança e área de telhado necessária ou disponível para a captação.

Será necessário ter calhas e condutores horizontais e verticais, para coletar e conduzir a água pluvial à cisterna. A norma que regulamenta e auxilia nestas instalações é a ABNT NBR 10.844 e a ABNT NBR 5626.

* Detalhe Importante: o sistema de coleta, armazenamento e distribuição da água da chuva deve ser independente, evitando riscos de contaminação do sistema de água potável.

Dimensionamento da Cisterna
Ela deverá ter capacidade de armazenar água suficiente para atender à demanda da propriedade por um período mínimo de 15 dias. Para isso, cálculos deverão ser feitos para se ter o tamanho exato da cisterna (um Engenheiro Civil poderá auxiliar nesta tarefa). A NBR 15.527/07 possui em seu anexo A sugestões de cálculos para seu dimensionamento.

Modelos de Cisternas
As cisternas podem ser redondas, quadradas, retangulares ou cilíndricas. Os materiais usados para a construção das mesmas podem ser vinimanta de PVC, manta de PEAD (polietileno de alta densidade), fibra de vidro, alvenaria, ferro cimento ou concreto armado. As de fibra de vidro e alvenaria são mais usadas para pequenos volumes (até 30m³).

Para sua melhor conservação, recomenda-se que a cisterna fique enterrada, onde a temperatura se mantém mais baixa, diminuindo a proliferação de microorganismos. É importante também, que elas permaneçam fechadas para impedir a entrada de sujeitas e insetos.

Filtragem
Ao passar pelos telhados, a água da chuva leva elementos que irão ficar em suspensão, daí a necessidade de filtros. Às vezes, se faz necessário também um pré-filtro.
O filtro poderá ser construído de maneira caseira, em alvenaria, PVC ou fibra de vidro, composto de material inerte com granulometria diferente, desde o mais fino até o mais grosso.

Existem no mercado, filtros com capacidade de vazões diversas, com uma boa eficiência. Normalmente, eles são construídos em aço inox com tela fina e autolimpante.

Vantagens dos Filtros Comerciais

Não proliferam algas e bactérias;
Estanques e impermeáveis, sem risco de contaminação da água ou vazamentos;
Duráveis e resistentes;
Fáceis de limpar;
Não deixam cheiro e sabor na água;
Não requerem manutenção (limpeza uma vez ao ano segundo ABNT NBR 15.527 de 2007/07)

Fonte: www.cliquearquitetura.com.br